Um lugar ao sol

.

Na minha cidade, bem no meio dela, tem um parque grande e bonito que o povo chama de Redenção, embora as placas exibam um outro nome, que de tão oficialesco nem merece ser mencionado.  Nesta querida e odiada urbe, terra de extremos, temos também uma divertida variação de estações, que ao longo do ano nos brinda ou tortura (depende de quem vê) com geadas, ventanias, mormaços e também com a esplendorosa luz suave que nos envolve durante boa parte dos dias de meia-estação. Este porto alegre também tem um jornaleco de nome guarani, um tal de Tabaré, de importância ínfima (é óbvio) se comparado à nossa primavera ou ao nosso parque, mas nem por isso menos cheio de vida e cores.

Como sempre ou quase sempre, quando se misturam duas ou três ou uma penca de cousas boas, o resultado só pode ser algo parecido com a beleza ou a felicidade – ou seja lá como se chama essa euforia de gentes, mates, cachorros e abraços que nos acariciou no dia de ontem. O fato é que pela segunda vez a redação do Taba saiu às tapas e botou a cara a rua. E como foi lindo! Instalados ao lado do Arco, aproveitamos o delicioso pretexto da Feira de Troca de Livros para encher o jornal de cidade e também a cidade de Tabaré. Entre acordes, livros trocados, jornais repartidos, curiosidades de leitores saciadas, uma infinidade de sorrisos e até um telefonema da rádio Ipanema, inventamos um dia pra ficar na memória, na nossa e na do público presente.  Mas além das lembranças ficarão as imagens, e algumas delas podes ver por aqui. Esperamos que também te encham a alma de sol.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos de Felipe Martini, Gabriel Jacobsen, Jessica Dachs, Martino Piccinini e do valoroso colaborador Bernardo Jardim Ribeiro.