O jogo do ano!

Por Chico Guazzelli

Essa frase é dita antes de cada jogo importante de janeiro a dezembro. Todas as temporadas, dia da marmota. Sempre tem um jogo mais importante do ano. Hoje o Grêmio tem seu jogo mais importante do ano. Já foi contra a LDU e contra o Fluminense no Rio. À beira da desclassificação na primeira fase da Libertadores se for derrotado. O Huachipato, time chileno desconhecido por nós até ano passado, já derrotou o grêmio na Arena na estreia da fase de grupos. Era estreia de André Santos e Barcos, por exemplo, e o time estava desentrosado.

Depois disso o Grêmio ainda não entrosou. Cris falha atrás, Barcos e Vargas não rendem o que obviamente jogam, André Santos também não conseguiu a naturalidade na esquerda. O meio campo, a base de 2012, com a lesão de Elano voltou a ficar incompleto e o fantasma de Marco Antônio voltou a perseguir (tanto a torcida com ele como ele com a torcida). E agora, o jogo do ano.
Um empate basta para o time rico do grêmio, classificar. Parece fácil. Mas futebol tem onze de cada lado (se alguém não for expulso, é claro) e um resultado negativo é completamente possível. Aí o ano acaba? Aí Luxemburgo cai?
Faz algum tempo que já vejo o futebol de uma forma um pouco mais fria. Pensei sobre isso partindo, claro, da situação hipotética do grêmio eliminado na libertadores disputando o resto do gauchão até as oitavas de final da copa do brasil começarem. Soa bastante catastrófico. Mas será que devemos ver o futebol com tanta tragédia assim?
Bem, com todas as contestações feitas ao senhor Luxemburgo, uma coisa reconheço: é um bom treinador. Conhece a bola, a grama e o vestiário. Talvez até demais a ponto de criar certa confiança supervalorizada. O esporte de milhões me causou já um cansaço dessas pressões de campeonatos, demissões, rescisões. Tite foi eliminado na pré-libertadores e não foi demitido e o resultado está ai: campeão do Mundo, do Brasil e da América.
Parece-me emoção demais para um jogo só, como o de hoje. Que corram, chutem, defendam, façam carrinhos, e voltem. Treinem, joguem, percam, empatem e ganhem nas outras partidas do ano. Sem pensar na mais importante do ano. Sinceramente torço para que os jogadores e o treinador continuem no Grêmio, com classificação ou sem classificação. Quem sabe um título brasileiro venha depois de alguns meses de treinamento de Luxa com os jogadores, no caso da desclassificação? E quem sabe se com a classificação e os jogos ‘do ano’ a cada fase da libertadores não castre o desenvolvimento dos jogadores e do time?
Enfim verei a partida com emoção e atenção para um grande jogo, mas sugiro calma aos torcedores e críticos. O ano acaba em dezembro.