Tuiter e Derrotas

Por Chico Guazzelli

Não sei para que funciona o tuiter. No começo me empolguei, criei um. É pra divulgar noticias, piadas, ou pra uma autopromoção?  Não sei responder isso, mas definitivamente acredito que esta ferramenta tem pelo menos uma consequência negativa. Os tuites que os jornalistas de São Paulo, da ESPN fizeram depois do jogo do Grêmio comprovam que muitos jornalistas caíram nessa grande fantasia da autopromoção e da espetacularização dessa profissão.

Após a vitória do Grêmio no último sábado contra a Portuguesa, que foi conseguida através de um duvidoso pênalti a favor, Arnaldo Ribeiro e Flávio Gomes, ambos da ESPN, empresa que casualmente não tem qualquer preocupação com o Rio Grande do Sul, tuitaram ofensas aos gaúchos (principalmente no caso do comentarista de fórmula 1 Flávio Gomes que é torcedor da Portuguesa) e demonstraram nenhuma preocupação com a repercussão até agressiva que isso possa ter. Arnaldo ainda disse que queria que monitorassem ligações do presidente do Grêmio Fábio Koff com a CBF. Esquecendo, talvez, que o ex-presidente do extinto clube dos treze cansou de se indispor com a confederação. Assim, sem provas, duvido que a CBF atendesse uma ligação dele.

Mas o caso não é de condenar eles. Eles estão, como todos nós, condicionados( bonita palavra né?) nessa sociedade do espetáculo que conforma os jornalistas, que ganham pouco, com a badalação que envolve nossa profissão. Ou pode envolver. E as benditas redes socias extrapolam esse desejo de ser notório.

Sou a favor da universidade de jornalismo. E de sua melhora e, principalmente do estudo sobre o jornalismo. Somos renegados a estudar o jornalismo. Somos treinados para a profissão ou para a academia, e raramente os bons profissionais que estudam e que exercem jornalismo se dialogam. Enfim, queria que estes ‘proletários da informação’ da ESPN, lessem Bourdieu e outros estudiosos que talvez eu nem conheça. E entendessem. Mas torço que isso tudo não vire também a atenção somente  para eles e sim para essa lógica jornalística que criou os polêmicos.  E quanto mais polêmico mais retuites e ibope, melhor.

 

Em Tempo: despois de escrita a coluna, Flávio Gomes foi demitido da ESPN, e não se arrependeu. Disse que as brincadeiras no futebol fazem parte.

***

Esperava uma boa rodada da dupla Grenal para comentar que não acredito que Grêmio e Inter ganhem títulos este ano. Mas não vejo problema nisso. Acho que o trabalho bem feito de Dunga e Renato (calando a minha boca) não devem ser minimizados por isso. Nem os jogadores ou os cartolas devam ser criticados a cada eventual derrota.

Acho que a pressão que os colorados tem pela grande fase de conquistas e a pressão gremista pela falta de troféus a mais de dez anos, faz com que um ano razoável pra bom possa ser destruído. Uma vaga na Libertadores pode resultar numa conquista ano que vem, já que raramente um campeão brasileiro conquistou a Libertadores  no ano seguinte, sendo os campeões da américa normalmente aqueles que se classificam ‘apenas’ com uma boa campanha.

Os times tão melhorando e talvez até a Copa do Brasil seja uma esperança, ainda que esta edição seja muito complicada. Mas Botafogo, Cruzeiro e Corinthians acredito que estejam um passo a frente com trabalhos mais longos do seus treinadores, e devem ser encarados como exemplo pra dupla Grenal. Conquistas podem se fazer em um ano, mas em geral vem dum trabalho mais longo. Torço pra que não se tenha terra rasada no fim do ano, se não houver títulos por aqui.